quinta-feira, 2 de julho de 2009

Indefinido

"Como é que eu começo?". Essa foi a primeira pergunta que veio a mente agora. Não posso dormir, denovo... Pode ser uma mistura de Corinthias Campeão, buzinas, fogos de artifício e ansiedade pela viajem que irei fazer. Mas acho que o motivo maior é simplesmente a vontade de escrever, sobre algo que não defini, ainda.
Confuso não? Você ainda não viu nada.
Primeiro tive a brilhante ideia de escrever sobre as minhas aventuras durante as minhas idas e vindas dentro do onibus, coisas como quando um dia, um cara bebado dentro do onibus começou a dar sermão a todos por que uma vagabunda - assim foi como ele mesmo titulou - o largou, e começou a discutir com uma moça que estava ao telefone dizendo que era para ela dizer a verdade, pois ela não estava dentro do onibus, mas sim, dentro de ma nave espacial russa em caminho a Plutão. Não tem como não rir, né? Mas todos que riram - inclusive eu - foram interrompidos pelo sermão novamente:
- Vocês estão rindo agora - dizia o cara - mas vão chorar depois quando chegarem a conta mensal de vocês e vocês não poderem pagar!! MAS EEEUUU NÃÃOO!!! Não preciso pagar nada, seus troxa!!!
( Mais risos - Meu Pai! Enenda-me, um negro, loiro, bebado, com voz de traveco, te dando sermão!!!)
Segundo, pensei em escrever sobre a justiça. Como somos injustos ou justos quando queremos ou não ser. Quero dizer, é como Paulo diz: " Aquilo de bom que quero fazer, não o faço, e aquilo de ruim, que não quero fazer, o faço." Até mesmo sem perceber. E é pior quando descobrimos que tudo isso acontece dentro de um mundo que criamos cada um para si, que se chama: Mundo de Mente (ambiguidade de mente, mentira ou falsidade e demência mesmo) ou Egocity. Chame como quiser. Acho mais "educado" Egocity, pois no fundo é o que pensamos: em nós mesmos.
Terceiro, pensei em escrever sobre os livros que tenho lido: "O Diário de Anne Frank", "O Que É Educação?", tirinhas de comédia, inclusive em uma delas a protagonista dizia que era bom ficar sozinha de vez em quando , por que é sozinha que podemos ser nós mesmos sem perder o charme. Ai ela aparece com um pregador de roupa no nariz e umas fumaçinhas saindo de seu trazeiro que indicavam um peido. É isso mesmo o que acontece!!! Quando estamos sozinhos peidar, cutucar o nariz e o que quer que seja, se torna charmoso quando ninguem está por perto. (e é justamente por isso que se torna charmoso).
Por ultimo, pensei em escrever um livro... na verdade tenho tentado escrever um, mas sem sucesso. Não tenho habilidade para escritos longos. Por isso optei por um diário, mas depois de um tempo começei a notar que minha vida é um saco, não tem nada de tão excitante e os pequenos escritos, todos eles juntos, se tornaram em uma baboseiras de palavras.
Mas sabe o que me veio à cabeça? O sono! Esse que será interrompido a noite toda por um bando de Corintianos selvagens a solta no meu bairro com bombas de fogos de artifício.
Sou nada contra eles, namoro com um, mas não sou nada a favor, se eu falar coisa pior, além do namorado o resto dos 90% de torcedores vão infernizar minha vida por causa de meus escritos.
Sou gandula, aquele cara que pega as bolas para os jogadores, não posso dar minha opinião explicita porque se der sou demitida.
Vou tentar durmir um pouco apesar de ser 1h da manha.
Mellany Cedeno

Um comentário:

Cesar Cruz disse...

Eae, Mel! Gostoso e descontraído esse textinho! Valeu!

bjão do tio
Cesar